domingo, maio 29, 2005

preciso do tempo

desse tempo que se estende para além de nós. do tempo antigo. dos telefonemas desesperados às amigas de madrugada, das solitárias noites de gelados, chocolates e filmes românticos. das choradeiras. do tempo em que te via e tudo em mim vibrava. preciso do tempo em que ficava horas a pôr-me bonita para tu me achares um bocadinho de nada diferente. preciso do tempo em que ver-te era a magia desse dia. da semana inteira.
preciso do tempo em que te ver não era acordar com o teu ressonar durante a noite. as nossas mensagens não era informações sobre o trânsito. preciso do tempo em que as nossas conversas não eram sobre a ementa do dia a seguir. preciso do tempo em que gastava o meu dinheiro em roupa para te seduzir e não electrodomésticos a crédito.preciso daqueles fins de tarde na praia num rapto inesperado e precioso ao contrário das idas ao supermercado e das limpezas em casa.



preciso do tempo em que sabia que te amava e isso bastava-me para viver.

2 comentários:

Vítor disse...

Muito bom!

Ardente_Mente disse...

embora o tempo nos fuja das mãos, por entre os dedos, somos nós que construimos o tempo que há-de devir