sexta-feira, novembro 02, 2007

O encanto

Outrora, num mundo que não era o meu, o amor tinha mais encanto ao começo. Mesmo sem fadas ou duendes. Assim rezam as histórias de amor que os meus avós me contavam. Especialmente o meu avô. Que se apaixonou, loucamente, aos dezanove anos por uma voz. "Era uma daquelas paixões irracionais, eu não sabia absolutamente nada dela, só lhe conhecia a voz. ", contava ele. Conhecia, porém, todo e qualquer estrecimento na voz dela, cada sobressalto na voz era motivo de preocupação para ele. E imaginava-a linda, esbelta e jovem. Pronta para casar com ele.
Conseguiu saber o nome dela e, mais tarde as horas a que saía da rádio. Nos primeiros dias seguiu-a apenas até à paragem do eléctrico e depois, devagarinho tentou aproximar-se dela. Da sua estrela. Da diva de voz cristalina que lhe enredava os sonhos à noitinha.
Quando conseguiu ter coragem para lhe falar, explicou-lhe quem era numa aflição doentia, de que ela se riu e teve pena, acedendo ao convite para tomar um chá rápido. Ela era a Voz. Que o desconcertava e o apaixonava. Levou-lhe flores e chocolates que pagava com o seu parco ordenado. Pedia calças vincadas e sapatos emprestados, para esses encontros. Alisava o cabelo com brilhantina e mais bonito não podia estar. Ofereceu-lhe um anel. Prometeu-lhe uma vida. Seria uma vida diferente. Não seriam pobes, apenas remediados ao princípio. Felizes, no entanto, assegurou-lhe ele. Mas ela não chegou a ser a minha avó.


No dia a seguir ao funeral do meu avô, estava depositado sob a campa dele, uma rosa vermelha. Tenho a certeza que era da minha quase quase quase avó. Ou pelo menos quero acreditar que sim.

8 comentários:

Iris disse...

Uma verdadeira história de amor, aquelas que são para serem contadas e divulgadas pelo mundo para podermos honrar quem nos é querido. O amor é algo que nos prega partidas, essa "quase quase avó" não estava por destino destinada, um grande amor talvez para ser guardado e relembrado com um grande sorriso. Quem sabe essa rosa vermelha não demonstre o amor guardado...

Anónimo disse...

MENINA VOCÊ ESCREVE MUITO MUITO LINDO - BRASIL - CLARA

delusions disse...

uma bela história de amor...nem sei que mais te dizer...


Bjinho*
bom dom

K. disse...

Assim deixas-me sem palavras... nao sei se é mais bonita a história ou a ternura com que a contas... beijo.

Tiago Nené disse...

http://bloguedasartes.blogspot.com/

juntem-se a esta sociedade de bloggers;)

cresçam connosco!

bruno disse...

simples e bela.
a eterna estrada não percorrida!

Sophia Paixão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sophia Paixão disse...

Uma encantadora e sonhadora história de amor, daquelas que nos preenche mesmo que só em palavras.

Beijinho*